quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Traição: desvio de caráter ou descontrole de sentimentos?

Em primeiro lugar, vou definir a palavra traição: Traição (do lat. traditione,entrega). Ato ou efeito de trair. Crime de quem, perfidamente, entrega, denuncia ou vende alguém ou alguma coisa ao inimigo. Perfidia, deslealdade, aleivosia.

            Há controvérsias sobre o assunto, mas a questão é duvidosa e polemica. O Brasil assiste neste momento, um caso de traição publica, Adriana, participante do Big Brother Brasil, programa no ar na Globo, entrou no programa e tinha um relacionamento afetivo antes de participar. Ela afirmou veemente que era fiel, e que se manteria focada no jogo, mas “fraquejou” e cedeu aos encantos do participante Rodrigão.  A questão que se põe em pauta é a seguinte: Traição é um desvio de caráter, um descontrole sentimental, ou um acaso? Há quem diga que para os homens traírem, basta uma mulher e para as mulheres traíam basta um motivo.

            É fato que a maioria dos casos de traição é cometida por homens, mas há também um numero considerável de mulheres que traem. Qual seria o motivo para tal ato?

            Cada cultura, cada povo detêm uma opinião sobre o assunto, dizem que a traição pode ser um ato cultural no Brasil, pelo fato de aqui termos uma sociedade machista que diminui a mulher.
Diga-se de passagem, que muita gente trai por diversos motivos, são alguns deles: Pela sensação de perigo; sensação de poder; vingança; necessidade de autoconfiança; vaidade; insatisfação; cultura; pelo novo; carência; para experimentar; status; porque acham que estão sendo traídos; porque não confiam em ninguém e querem trair primeiro; por não terem certeza de que estão com o melhor; para ter certeza de que ama; porque a grama do vizinho é sempre mais verde; sensação de liberdade; “Porque pedra que rola não cria limo; Quem come mal, está sempre beliscando”; por nada. 






            Existem questões psicológicas envolvidas, mas eu acredito que o psicológico está diretamente ligado com a questão do caráter e eu firmo essa opinião depois que li um livro sobre psicopatas. Há também a questão de valores éticos nisso. Vivemos em uma sociedade em que a cultura se contrapõe aos valores éticos. Não aceitamos corrupção dos politicos que colocamos no poder, mas se formos parados numa blitz sem carteira, podemos sim “dar um agrado” ao policial para que ele não prenda e leve o carro. A impunidade moral virou uma cultura nacional e a punidade virou apenas exceção para casos extremos. Traição virou algo normal, quem nunca ouviu ditados populares do tipo:”quem nunca foi corno que atire a primeira pedra”, nem vou comentar.

Quando a pessoa tem um problema sentimental e não tem um controle psicológico isso acarreta numa serie de atitudes desconcertadas que causam estragos imensos. A meu ver atitudes impulsivas que são passivas a erros geralmente são acertos de duvidas, ou seja, no impulso a pessoa comete algo que com certeza faria de caso pensado, e isso se torna uma válvula de escape. Ou seja, um exemplo, eu faria algo em total consciência, mas para não admitir isso, digo que sou impulsiva, para justificar o fato de ter errado, logo se demonstra um desvio de caráter. Enfim um ciclo vicioso! O fato é que se for uma questão cultural, psicológica ou sentimental e um desvio de caráter, a junção de todos leva ao ato de trair.

Bandidos também amam! Todos sabem disto. Assassinos da mesma forma, muitas vezes com a forma de matar em nome do amor. Isto não é um ponto de observação moralista, é apenas uma observação realista.

Os humanos são imperfeitos e não vêm com garantias. “Isso significa, que você pode ser a pessoa mais leal do mundo, inteligente, o melhor parceiro sexual, extremamente dedicado e atencioso a pessoa amada, que isso não vai impedir de ser traído(a), se isso não fizer parte do esquema de valores da pessoa que o trai. ”(Luiz Roberto Bodstein).
Acredito que traição de nada tem haver com amor e sim que haja um descompasso psicológico, moral e sentimental. É péssimo ser traído, existem traições que eximam o sentimentalismo humano. Às vezes as sujeiras morais doem mais do que as verdades cruéis. Por mais motivos que possam existir, por pior que seja a situação, o mínimo que se espera é que se tenha sinceridade, que exista honestidade pelo menos no amor. Que tipo de amor é esse que trai e decepciona? Há outras formas de decepção humana, mas a traição é a mais cruel.
A insatisfação afetiva deveria ser uma maneira honesta de se procurar novos rumos. Faz parte da vida, começar e terminar algo, isso é um ciclo, mas que isso seja feito de forma obliqua, Já vi casos em se terminaram relacionamentos e atualmente os parceiros são amigos.
Os atos são os espelhos da alma, suas atitudes demonstram quem você é.
Não há motivo que justifique a falta de caráter, isso é algo natural, ou se tem ou não se tem. 

Traição é traição, seja ela de amor, ou de amizade.

Você é uma junção de alma, mente e corpo, sua alma revela seus sentimentos, sua mente revela sua personalidade e caráter e o seu corpo revela através das suas atitudes a sua alma e a sua mente!

Pense nisso!





Nenhum comentário:

Postar um comentário